Sempre foi tudo vaidade debaixo do sol

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015


"Atentei para todas as obras que se fazem debaixo do sol, e eis que tudo era vaidade e aflição de espírito."
Rei Salomão

Fazer uma selfie
Sem procurar o self
Jung se irritaria com a vil apropriação...
Caras e bocas sorriem para amigos imaginários.
As máscaras não despem mais o rosto.
É moda, então farei, mesmo não gostando...
O que gosto? Já nem sei mais... parei de conversar comigo mesmo.
Preciso deitar no divã e contar meus problemas pra todo mundo que não conheço.
Enaltecer o ego com mil fotos próprias.
A vida só é arriscada se houver uma na beira do penhasco.
Selfies matam mais que ataques de tubarão.
E a essência tornou-se cega após tantos flashes...
Os narcisos de hoje morrem batendo selfies...
E como diria Salomão: sempre foi tudo vaidade debaixo do sol...

Sei que já abordei temática semelhante e até a foto é praticamente igual, mas eu sinto que a vaidade é um tema muito em voga e há necessidade de pensarmos sobre e também escrever é uma prática de exorcismo dos meus próprios demónios em auto-análise.

6 novidades:

Laura Santos disse...

Há muito sol, o que permite a reflexão da própria imagem com muita facilidade, e como Narciso, existe muita gente a encantar-se com o seu reflexo a partir de cada "selfie". Sem saber quem é exactamente, e sem saber quem são os seus verdadeiros amigos. Um mundo de vaidade, de exibição e de vacuidade.
Uma bela temática, exemplarmente bem exposta.
Gostei muito desta reflexão poética. Parabéns!
xx

Ane Cristina disse...

Meu, você é muito filósofa! Hahaha, tenho pensamento parecido, ultimamente tudo se refere tanto ao "belo" e a gente nem enxerga mais a beleza nas coisas simples... mas o importante é que a gente tenta, né? Muito bom!!

ultracrepidante.blogspot.com

Carolina Botelho disse...

Complicado, eu gosto muito de fotografia mas prefiro aquele tipo que contenha alguma bossa e poesia, nada de biquinho rs.
As pessoas andam muito neuróticas com isso.

Gabriela Furtado disse...

Adoro chegar aqui e ser presenteada com esses teus textos que tanto fazem refletir sobre essas "razidões" da vida moderna!
Parabéns, ótimo texto
Bjs

Larissa Fonseca disse...

Simplesmente INCRÍVEL. Concordo com cada verso, pois sou do tipo que se irrita com atitudes egoístas e narcisistas. Que mundo é esse em que os olhos não encontram outros olhos, apenas lentes?

Jaime Portela disse...

A maioria das selfies revelam vaidade, na verdade.
E quando são publicadas em catadupa, revelam mau gosto.
Enjoei das selfies (dos outros) há muito tempo...
O seu poema, na forma e no conteúdo, é excelente. Parabéns.
Lu, tem um bom fim de semana.
Beijo.

Postar um comentário

e ai alguma novidade?


obs: comentem sobre o texto
elogios e críticas são bem vindos, contanto que leiam e mostrem sua opinião.

sigam-me no twitter: @lusampaiiio

 
Design by Pocket