se enamora quem vê você passar com tantas cores.

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

" Quando você chega na classe
Nem sabe
Quanta diferença que faz
E às vezes
Faço que não vejo e nem ligo
E finjo, ser distraída demais"
Turma do Balão Mágico
___
__Sem querer ao olhar para o lado o teu olhar encontrei.
Me espantei com tal olhar e imediatamente desviei.
Duvidei daquele olhar, mas mesmo assim sonhei.
Fui me encantando por tudo em ti e assim me apaixonei.

Precisou de uns olhares e sorrisos, uns ois meio timidos.
Já sonhava com nossos filhos, como seriam lindos!
Ah, como eu sou boba! Como podia me apaixonar tão rápido assim?!
E a minha carência respondia " Põe a culpa em mim!"

Depois de um esbarrão "sem querer", os olhares parei de desviar.
Aquele medo virou desejo. Ah, que vontade de te beijar!
Da minha mente não saia mais, sorria ao teu sorriso lembrar.
E aquele dia que seria decisivo(?), eu tinha que faltar...

Agora não tenho mais sorrisos, nem ois, muitos menos o olhar.
Finjo que não ligo, mas sinto falta quando não está.
Alegria de pobre dura pouco, é o que eu tenho que recordar.
Então presta atenção na aula, porque quantos sinais há na nuca dele não vai cair no vestibular!

Mais um poema antigo para a minha nova série: a história por trás do poema rs. Eu me dei conta com os poemas abaixo Já tive o sonho e Essa voz de ressaca, que no passado eu deveria ter publicado os poemas que faziam parte da tag Minha vida com suas devidas histórias, mas acho que na época eu tinha medo de algum protagonista de algum poema acabar vendo rs.
Pois é, senta que lá vem histaória rs. Foi a primeira vez que fiz cursinho, estava com 17 pra 18 anos. Tava numa fase de transição, tinha virado vegan e  por isso estava emagrecendo. Em uma bela noite, cheguei na sala como sempre de cabeça abaixada, coisas de timidez, sentei logo na primeira cadeira que vi e pra olhar pro professor, virei o rosto, quando me deparei com aqueles olhos esverdeados me olhando, ele sorriu, eu me espantei! Claro né, o carinha mais bonito da sala, do qual eu já tinha reparado, mas pensado: nem sonha Lury... Estava me olhando com olhos de interesse?! Com certeza eu devia tá de decote... Dia após dia, lá eu chegava, sentava ao lado dele. Ele dizendo: oi e eu me apaixonando. Mas como não se apaixonar por aqueles olhos verdes, nem um olho verde tinha flertado comigo antes rs. Então eu comecei a ir mais bonitinha, eu sempre desleixada acabo me arrumando só por causa de algum garoto D: , okay, me batam feministas. Um dia que eu estava um pitelzinho, fui beber água no bebedouro, ele vinha na direção oposta, como se ele não tivesse me visto ele pimba me dá um esbarrão. Então eu percebi que essas coisas só dão certo em filme, quando o casal se esbarra e então voam papéis e os dois sem graça começam a juntar, se olham enquanto sem querer as mãos se tocam. É, isso é só em filme mesmo, porque nem papéis eu tinha e ainda bem que não tava com meu diário, porque se ele caisse era capaz de abrir em uma página en que eu estivesse falando dele rs. Depois dessa eu tive certeza, maaana o bofe me quer. Já comecei a fantasiar e a pensar nele o tempo todo... Depois que eu comecei a me auto observar eu comecei a perceber que essas fantasias, essa ansiedade, mandavam uma energia negativa pro universo, então o cara se desinteressa. Foi o que aconteceu... Eu fiquei achando que foi porque eu faltei a aula um dia depois do esbarrão, porque era uma aula domingo de manhã, mas eu passei a noite toda pensando nele e não consegui acordar rs. Depois nuuunca mais nem uma olhadinha, e eu abestada, agora não parava de ficar procurando os olhos dele... Talvez tenha sido isso também, o encanto dele podia está na minha timidez... Vai saber né, só sei que foi assim que eu perdi a oportunidade de ter filhos de olhos verdes rs.
 

4 novidades:

Erica Ferro disse...

Que bonitinho e fofinho esse poema. Típico de jovens tímidas e loucamente apaixonadas como eu era e, ao que parece, você também.
Gostei de saber da história por trás do poema. Ri com o final "só sei que foi assim que perdi a oportunidade de ter filhos de olhos verdes...". Faz parte! hahaha
Eu sou azarada sempre quando os assuntos são flertes e romances. Não consigo fazer "nenhum gol" nesses jogos de paixão e amor. Por isso, escrevo. hahaha!

Um abraço!

Blog || Fan Page

Bandys disse...

Oi Lu,

è muito bom recordar esse tempo onde tudo
parecia cor de rosa. Eu adorei sua historia.
Vc acredita que tambem era timida. Eu na realidade me apaixonei por
um amigo do meu irmão, lindo, tambem com olhos claros só que
azuis. Passei muito tempo planejando uma verdadeira historia de conto
de fadas... ai ai....
Beijos. boa semana

Beto disse...

Quem nunca fantasiei algo? As cenas de filmes podem até ser poéticas, mas continuo preferindo as da vida real.

Ótimo poema.

Larissa Fonseca disse...

Divertidíssimo o final do poema e muito legal a história por trás dele! Já vivi situações parecidas e, como você, fantasiei à beça... Faz parte da adolescência, né? E desilusões, parte da vida.

Postar um comentário

e ai alguma novidade?


obs: comentem sobre o texto
elogios e críticas são bem vindos, contanto que leiam e mostrem sua opinião.

sigam-me no twitter: @lusampaiiio

 
Design by Pocket